sexta-feira, 9 de abril de 2021

Turismo do RN perdeu cerca de 300 estabelecimentos em 2020, diz Confederação Nacional do Comércio


As empresas do setor do turismo no Rio Grande do Norte avaliam que o primeiro semestre de 2021 está perdido economicamente. Agora, apesar dos atrasos na vacinação contra Covid-19, o segmento espera por um lenta reestruturação das atividades no último quadrimestre deste ano. 

Segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a pandemia do novo coronavírus fechou pelo menos 310 estabelecimentos com vínculos empregatícios no setor de turismo no Rio Grande do Norte em 2020. Entre abril de 2020 e fevereiro de 2021, o impacto das medidas restritivas para o setor, segundo dados da Câmara Empresarial da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio Grande do Norte (Fecomércio), fez com que se deixasse de circular na economia potiguar R$ 1,5 bilhão. “É o gasto do turista em bares, restaurantes, passeios, ou seja, as despesa durante a viagem”, diz Abdon Gosson, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).

 De acordo com dados da CNC, entre março e dezembro de 2020, os gastos de turistas estrangeiros no Brasil foram de R$ 113,4 bilhões, queda de 80% em relação ao mesmo período de 2019. O resultado negativo também foi percebido em janeiro deste ano, quando, segundo a confederação, os gastos desses turistas no Brasil foram de R$ 269 milhões, queda de 60% em relação a janeiro de 2020. A última sondagem empresarial com empresas de hotelaria do Rio Grande do Norte mostra aumento do pessimismo do setor em 2021. Pesquisa feita pelo Ministério do Turismo, entre os meses de julho e agosto de 2020, mostra que 94,4% desses empresários indicaram queda perdas de receitas. “Foi setor mais fortemente atingido pela crise econômica. Acredito que 40% dos bares e 40% dos hotéis podem fechar ainda este ano”, disse Gosson. Para auxiliar o setor, o Governo do RN prorrogou o prazo para pagamento do ICMS para maio. Além disso, a Agência de Fomento do Rio Grande do Norte assegurou R$ 10 milhões em crédito para empresas com atuação relacionada ao setor de turismo e lazer. Já a Prefeitura de Natal vai adotar a prorrogação de prazos para que o setor de hotéis e pousadas recolha o Imposto Sobre Serviços (ISS). 

A outra proposta prevê uma carência no pagamento do Simples Nacional pelos próximos três meses. “Precisamos ser otimistas para que o segundo semestre, a partir de agosto ou setembro, comece a retomar as atividades. Esperamos não retroagir mais. Em julho passado, após a primeira parada, nós fomos crescendo gradativamente, com um bom fim de 2020. Mas aí chegou a segunda onda. O turismo não suporta mais sofrimento”, encerrou Abdon.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário